Translate

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Relato: 1ª Corrida Pedra da Divisa - São Bento do Sapucaí


Finalmente corri minha primeira prova de 2019. Antes tarde do que nunca. =)

Após mais de 6 meses sem correr, e após pouco mais de 1 mês de reabilitação, com trotes curtos na esteira (e uns 3 ou 4 trotinhos assustados na rua), resolvi testar o corpo na trilha, em condições reais.

E não há maneira melhor de testar o corpo em condições reais do que numa prova, certo?

A primeira edição da Corrida Pedra da Divisa caiu como uma luva para isso.
Percurso curto (5,6km) e 97,22% trilha. Não dava para pedir por algo melhor (não dava para pedir, mas eles entregaram mesmo assim, já que além do percurso lindo, a prova custou a bagatela de R$20,00 e ofereceu um pós prova melhor que de muita prova cara por aí).

Apesar da Cris também estar inscrita para a prova, ela teve um compromisso inadiável e acabei indo para a prova sem ela 💔.

Prazer, Pedra da Divisa (Foto: Toninho)


Para amenizar a dor, convidei amigos para me acompanharem nessa jornada que prometia grande evolução pessoal bastante sofrência (com direito a passar vergonha sendo ultrapassado por todos os corredores sambentistas antes mesmo de completarmos 200m de percurso). O convite foi prontamente aceito pelo Francisco (vulgo Francis-Victor).

terça-feira, 20 de agosto de 2019

Não é só correr

Após completar os 80km da La Misión Brasil no ano passado, senti um grande vazio. 

Foi a realização de um sonho e a conclusão de um longo projeto pessoal e, de repente, eu me vi sem ter um objetivo. 

Perdi o foco, perdi o desejo de participar de provas, perdi a vontade de madrugar todo final de semana, ganhei peso! rs

Afinal, parecia que nada iria chegar perto da grandiosidade daquela experiência, do êxtase que foi concluir meus primeiros 80km do jeitinho que terminei.


Mudanças em nossas rotinas pessoais também me levaram a uma brusca queda no volume de treinos e quando, finalmente, resolvi me dedicar a treinar para uma prova novamente (a Ultra Trail Challenge Pedra Grande), acabei me lesionando.


Como não poderia correr na data da Ultra Trail Challenge Pedra Grande (e já são 120 dias correr desde então...), resolvi ser staff daquela prova. Foi uma experiência muito enriquecedora, como descrevi no relato.


De lá pra cá, passei pelas 5 fases do luto corredor lesionado - negação, raiva, barganha, depressão e aceitação - e finalmente me conformei que esse não é o meu ano.


Quer dizer, estava conformado até chegar agosto. A La Misión foi se aproximando, fui vendo fotos e vídeos do pessoal se preparando para a prova e comecei a sair do meu estado de apatia. Fui ficando verdadeiramente animado por todos os amigos que iriam correr a prova.


Assim, quando surgiu o convite da organização para que a gente participasse da prova como staff, não tive dúvidas de que queria, e muito, fazer parte dessa festa de alguma forma.


Chegamos à Passa Quatro no fim da tarde de sexta-feira, retiramos nosso kit-staff, fomos brifados, ajudamos um amigo a resolver uns pererecos de última hora, vimos e abraçamos muita gente querida. 


Às 4h da matina de sábado já estávamos de pé e às 5h nos apresentamos para serviço.



5h da matina. A cara é de sono,
mas a animação está lá no alto!
A Cris foi com um carro de apoio para o seu posto (uma bifurcação num trecho do percurso de 80km) e eu segui numa Kombi para o PC Paiolinho, onde iria organizar todas as drop bags dos atletas de 80km e controlaria a passagem de todos os corredores dos 50 e 80km.


Check in no posto de serviço às 6h

segunda-feira, 3 de junho de 2019

Do outro lado do pórtico - Ultra Trail & Vertical Challenge Pedra Grande Trail Runners

Correr uma prova é, logicamente, algo cansativo e recompensador. Mas não pense, nem por um minuto, que trabalhar em uma prova é menos cansativo ou menos recompensador.


Estar no batente, em pé, exposto ao tempo, sem tempo para comer ou ir ao banheiro desde antes do primeiro corredor aparecer para o check in até o último corredor cruzar a linha de chegada; dando a cara à tapa; sendo "o chato" que exige que o regulamento seja cumprido; tendo que explicar ao corredor (seja ele novato ou macaco véio) que existe uma razão para a organização exigir cada um dos itens considerados como obrigatórios; percebendo que tem corredor (às vezes até mesmo pessoas que você já conhece) te achando com cara de bobo e tentando burlar o sistema (sistema esse que foi criado pensando única e exclusivamente na própria segurança do atleta); tendo que desclassificar gente que se livrou dos equipamentos obrigatórios logo após o check in; vendo o olhar de tristeza e frustração do corredor que não atingiu seus objetivos por algum motivo... Certamente não ganhei o prêmio de Staff mais divertido da prova.

quarta-feira, 10 de abril de 2019

Pé na Trilha: Review do Kalenji Kiprun Trail XT7

Outro dia, conversando com amigos, um deles falou a seguinte frase: "saudades de reviews de tênis de R$200,00... pois não adianta nada ler o review de um tênis de R$1.000,00 que eu sei que nunca vou comprar".

Essa frase acabou ficando na minha cabeça e resolvi, após bastante tempo, soprar a poeira e tirar as teias de aranha da área de reviews do blog para contar pra vocês as minhas impressões sobre um tênis que, se não custa R$200,00, está perto disso (R$299,00): o Kalenji Kiprun Trail XT7, vendido pela Decathlon.


sexta-feira, 21 de dezembro de 2018

Relato: Desafio Pedra do Baú

Uma semana após corrermos os 32km de Botucatu, tivemos a oportunidade de voltar a correr na Chamonix Brasuca, a.k.a. São Bento do Sapucaí, numa prova organizada pelos amigos Mantiqueira Trail Running (eu sempre fico na dúvida se esse título de Chamonix brasileira é de São Bento ou de Passa Quatro... como ainda não conheço a Chamonix original, divido meu coração entre essas duas versões brasileiras mesmo e com o maior gosto).

Já havíamos participado de muitos (quase todos!) os mega treinos organizados por eles, mas foi a primeira vez que pudemos correr uma prova deles - e a experiência não poderia ter sido melhor. Como de costume, foi uma excelente ocasião para rever muitos amigos (encontrei até mesmo meu sensei do Karatê de quando eu era criança carçuda lá em Vinhedo, dos 12 aos 17 anos! kkkk), estreitar os laços, fazer novos amigos e desfrutar de cenários deslumbrantes fazendo o que mais gostamos.

Para dar um toque ainda mais especial à experiência, decidi correr a prova lado a lado com a Cris. Apesar de muita gente achar que corremos sempre juntos, a verdade é que treinamos juntos, mas nas provas cada um faz a sua - dá pra contar nos dedos da mão a quantidade de provas que corremos ombro a ombro.


quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Relato: Run Brasil Ride Botucatu - 32km

Run Brasil Ride ou Ultra da Cuesta ou ainda Ultra Trail Run 70k Brasil Ride (ou qualquer outra combinação que você quiser fazer com essas palavras, todo mundo vai te entender! rsrs).



Ano passado havíamos escolhido essa prova como "treino longo" para a La Mision 80km desse ano. A ideia era usar os 70km da prova, bem menos técnicos que a La Misión, para ver como o corpo iria se comportar acima dos 50km.

Fizemos a inscrição, treinamos (pero no mucho) e uns 2 meses antes da prova eu acabei quebrando o dedo do pé em um acidente super radical  - bati o dedinho na quina do sofá.

Há males que vem para bem! Acabamos transferindo a inscrição para esse ano, descasamos um pouco no final do ano passado antes de iniciarmos o mega ciclo de treinos que fizemos para a La Misión e que, na minha opinião, foi muito bem sucedido.

Passada a La Misión, além da demorada recuperação do desgaste físico (e de uma pequena lesão que começou a me incomodar no km 20 daquela prova), foi necessário superar o desgaste emocional, ou falando bom português, o bode pós prova.

Foram tantos meses focados naquela prova que, quando ela passou, ficamos nos sentindo "órfãos", sem objetivos, sem vontade... nenhuma prova nos apetecia.

A data da Ultra 70k foi se aproximando cada vez mais e o bode permanecia... além disso, fiquei praticamente 2 meses sem treinar absolutamente nada, e em meados de novembro "longão" para mim era 15km. Ou seja, 70km estava fora de cogitação.