Translate

segunda-feira, 9 de março de 2020

Relato: Ladeiras da Penha Etapa Mairporã

Quando eu disse no último relato que correr o Desafio de Revezamento Mutukas despertou em nós o desejo de voltar a treinar e voltar a correr provas, eu não estava brincando.

De fato, mal chegamos em casa depois do revezamento e já fizemos nossa inscrição para a Ladeiras da Penha - Etapa Mairiporã, dali a 3 semanas.

Levou tanto tempo pra voltarmos a sentir essa vontade que não poderíamos correr o risco de deixar essa chama se apagar, então não perdemos tempo e fizemos nossas inscrições.

Com as inscrições feitas, a motivação para voltar a treinar meio que veio no pacote e, de repente, a gente se viu animado pra treinar mesmo de segunda ou de sexta-feira (dias que costumamos tirar pra descansar), e embaixo de chuva. Que saudades estávamos de ter esse comprometimento pessoal e essa motivação!

Com relação à escolha de nossa próxima prova, bom, ao chegarmos em casa eu abri o calendário da AdventureMag e vi que a Ladeiras cairia bem na janela que a gente tinha. E como já fazia bastante tempo que ouvíamos amigos comentando sobre as provas dessa organização, resolvemos matar a curiosidade. Claro que o fato do valor da inscrição ser extremamente competitivo também chamou a nossa atenção e tornou a decisão mais fácil, né!

Inscrições feitas, kits retirados, lá fomos nós para Mairiporã para ver quanto de evolução seria possível em 3 semanas de treinos leves (com um tal de carnaval pegando quase metade do período treino 😂).

Logo de cara a primeira impressão que tivemos era a de que estávamos correndo uma prova trail pela primeira vez na vida. rs
Só isso para explicar que, numa prova com 900 inscritos, a gente conhecesse só uma pessoa (Portuga)!

Ok, depois que a prova terminou, encontramos pelo menos mais umas 4 pessoas conhecidas, mas num universo tão grande de inscritos, foi bastante curioso conhecer tão pouca gente... afinal, estamos no trail há mais de 7 anos! Isso mostra o tanto que o esporte está crescendo nesses últimos tempos (e só podemos torcer para que esse crescimento seja sustentável e que, junto com o aumento no número de praticantes, aumente a consciência de que é preciso preservar as trilhas #lixonolixo).

Enfim, a prova contava com 3 distâncias (7, 14 e 21km). Aguardamos a largada dos 21km e alguns minutos depois alinhamos para a nossa largada. Desejei boa prova para a Cris e, ao fim da contagem regressiva, parti para a minha prova (muita gente acha que corremos juntos, mas a verdade é que apenas largamos juntos e depois cada um faz sua prova).

Parti receoso, pois a Cris havia manifestado um pouco de fraqueza logo antes da largada (talvez por conta da alimentação não muito regrada no dia anterior ou por conta do pouco tempo de sono), e parti sem pressa, sendo ultrapassado por bastante gente nesse início da prova.

Saímos do Clube de Campo de Mairiporã e seguimos por vias pavimentadas por mais ou menos 2km até a entrada da primeira trilha - a Trilha da Saracura. Nesse paredão, subindo sem refresco por aproximadamente 2km, com mais de 300m de ganho, eu aproveitei para apertar um pouco o passo e consegui ganhar muitas posições. Infelizmente, logo na sequência voltamos para o estradão e, ali, eu não tinha vantagem nenhuma. Na estrada eu não rendia nada e, de todo modo, tinha feito só 4km dos 14km do percurso, então não adiantava forçar a barra tão cedo. Segui trotando nessa área residencial e notei o percurso estava muito bem marcado, com fitas zebradas e setas de cal no chão e bombeiros em pontos chave.

Após um trecho na estrada de terra, na altura do 6º km, havia uma placa grande sinalizando que o percurso deveria abandonar a estrada e descer por um "pasto". As fitas zebradas também não deixavam dúvidas disso. Não havia uma trilha batida no morro, mas a cada poucos metros havia uma fita zebrada amarrada na vegetação, logo, bastava descer por ali em meio à vegetação mesmo.

Ao fim do morro, voltamos para a estrada, às margens da Fernão Dias, onde havia uma staff anotando os números de todos os corredores que passavam por ali.
Aproximadamente 1km depois, novamente numa área residencial, reparei em uns 3 corredores vindos de uma rua aleatória e entrando na mesma via em que eu estava. No momento não reparei no número de peito (para cada distância havia uma cor diferente no número de peito) e cheguei a pensar que esses corredores estavam correndo em outra distância ou tivessem saído do percurso para ir ao banheiro ou para comprar água e estavam apenas voltando para o percurso correto... até porque, havia uma staff ali e o chão estava marcado com cal indicando que aquela rua não fazia parte do percurso oficial dos 14km.

Segui correndo pela estrada e reparei que comecei a ultrapassar corredores que, visivelmente, "não deveriam estar na minha frente". Pela força que eu fiz pra subir aquela trilha e pelo ritmo que eu vinha correndo nas estradas (embora não fosse nada alucinante), não fazia sentido que eu estivesse ultrapassando agora atletas que intercalavam trote e caminhada na estrada relativamente plana, por exemplo. Fora isso, desde a saída da Saracura que os corredores estavam bastante espaçados na minha frente e, de repente, ao sairmos da estrada e entrarmos na próxima trilha - a trilha do Pico do Olho D'água - fui surpreendido com uma enorme fila de corredores caminhando.

As peças se juntaram e concluí que uma boa leva de corredores errou o caminho.


terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

Relato: Desafio Mutukas de Revezamento

Quem nos acompanha sabe que há tempos estamos numa luta interna para encontrar motivação para voltar a treinar de verdade. Ficamos mais da metade de 2019 parados e, desde que voltamos a correr, em outubro do ano passado, estamos com sérias dificuldades para retomar o ritmo e a disciplina de treino - o que é bastante ruim para quem treina por conta própria.

Bom, pode ser que eu esteja me precipitando aqui, mas me parece que esse ciclo de bode finalmente se encerrou! E o responsável por isso foi o Desafio Mutukas de Revezamento, realizado em Campos do Jordão no último domingo.

Não que a gente não tenha feito outras provas legais desde que voltamos a correr (muito pelo contrário!) mas o que acontecia era que a gente participava da prova, sofria um bocado, achava fantástico estar de volta no ambiente que a gente tanto ama, mas no fim das contas nada mudava internamente. A chama continuava fraca, a vontade de treinar também e a vontade de participar de outras provas como atleta era quase zero.

Aí veio o Desafio e, tcharan!, de repente viramos a chavinha mental!



Não saberia pontuar exatamente o que despertou essa mudança. Só sei dizer que saímos de lá animados, com vontade de voltar a treinar de verdade e com vontade de voltar a participar de provas, e é isso o que importa!

quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

Relato do convidado - Francisco Avelino Jr. como pacer na BR135 2020

Não vou perder muito tempo com introduções.

Vocês já conhecem o Francis. Ele já apareceu em alguns relatos meus, já apareceu em alguns vídeos, e não olhe para trás agora, senão ele pode aparecer aí também! 😆

Pois bem, eu estava precisando de um ombro amigo, um par de pernas resistentes e uma cabeça pensante e bilíngue para me ajudar a ajudar uma atleta na BR135 2020 e eis que o Francis apareceu mais uma vez.

Estourem a pipoca, peguem uma bebidinha e aproveitem esse relato! Está primoroso!

Com vocês, Francisco na BR135:


terça-feira, 17 de dezembro de 2019

Relato - Desafio Pedra do Baú 2019

Conforme postamos em nossas redes sociais ao longo do segundo semestre, tivemos a honra e o privilégio de sermos escolhidos como embaixadores do Desafio Pedra do Baú 2019.

Ao todo foram selecionados 13 atletas - que, de alguma forma, carregam os valores e princípios da organização Mantiqueira Trail Running - para suar a camisa e representar o espírito da montanha nesse lindo evento (e, por alguma razão, nós dois estávamos nesse grupo de notáveis rs).

Para nós é sempre um grande prazer participar dos eventos da Mantiqueira Trail Running. De fato, a gente vem acompanhando o desenvolvimento da organização desde o início de sua história - e é impressionante como eles conseguem sempre evoluir e melhorar o que já era muito bom desde o princípio.

Assim, quando fomos convidados para carregar a camiseta amarelinha dos embaixadores do evento, aceitamos a responsabilidade com muita alegria, mesmo não estando em nossa melhor forma física.

Como já falei nesse blog, o ano de 2019 não foi um ano bom para nós - esportivamente falando. Ainda estamos engatinhando em nosso retorno às trilhas e mesmo correndo apenas pelo prazer de correr, é impossível não nos compararmos com quem éramos e como estávamos em dezembro do ano passado, por exemplo, quando corremos os 24km do Desafio Pedra do Baú.

Considerando nosso volume de treinos desde que voltamos a correr, escolhemos correr os 14km na edição 2019 da prova - e ainda assim, devo admitir, fomos ousados demais! rs

De toda forma, a gente sempre soube que correr era apenas uma pequena parcela do nosso motivo de estar ali (como diz um amigo meu, organizador de uma provinha tranquila no Sul de Minas, "não é só correr").

São Bento é uma cidade que mora no nosso coração desde 2013, quando a visitamos pela primeira vez. Ali já vivemos muitos treinos, muitas provas, muitas farras e muitos momentos felizes entre amigos, e voltar pra cidade é rememorar esse sentimento de bem-estar e de acolhimento. Sempre.

Dessa vez foi ainda melhor, já que nossa netinha (piada interna) passou a morar na cidade e tivemos a oportunidade de passar todo o final de semana causando na casa nova dela! 💕

Fora isso, o Desafio Pedra do Baú é também uma grande festa. Como é praticamente a última prova trail do ano, mesmo as pessoas mais competitivas já estão em clima de confraternização de fim de ano, e essa energia de descontração é palpável no evento e uma coisa que muito nos atrai.

Isso explica, por exemplo, o fato de que ficamos proseando do lado de fora do "curral" de largada e nem percebemos que os 14km já tinham largado! 😂

Saímos correndo, mostramos ao Wilton que estávamos com todo o equipamento obrigatório e subimos a rampa em direção ao pórtico enquanto a Fabi anunciava a última chamada para os atletas de 14km antes de ser dada a largada dos 7km!

MANO! Quase perdemos a largada!
Corre, Cris!

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Trail Run Medita Experience

Perdi a conta de quantas vezes comecei a escrever aqui um pequeno relato do que foi nossa participação na Trail Run Medida Experience IV, organizada pela Pedra Grande Trail Runners, só pra apagar tudo que eu havia escrito alguns segundos depois.



A razão disso é que nem eu consegui assimilar direito tudo o que foi vivido nesse final de semana de imersão-desconexão-reconexão, então imagine como é para traduzir isso em palavras coerentes.

Talvez sequer seja possível colocar "no papel" tudo o que foi vivenciado e experimentado. Mesmo assim eu gostaria de tentar compartilhar com vocês e, quem sabe, tocar alguém que esteja justamente precisando de uma experiência como essa em sua vida.

Em linhas simples, a proposta do evento é permitir que os participantes se desconectem do "ruído" e das cobranças - internas e externas - cotidianas para se redescobrirem e se reconectarem com sua própria essência.

Para atingir esse objetivo ao mesmo tempo simples e ousado, o evento mescla palestras, sessões de meditação, yoga, trilha (que pode ser percorrida correndo ou caminhando, a depender do condicionamento do participante), entre outras atividades.

Para ser sincero, de início eu estava mais interessado na parte do trail do que nas outras partes da programação. Sou um pouco cético com certas coisas e um pouco desconfiado com pessoas que abusam do uso da expressão "gratidão", e quando a Cris propôs que participássemos do Trail Run Medita Experience eu nem imaginava qual seria a real extensão da experiência. Só pensava em correr e passar o final de semana com amigos.





Team Chalésão Trail no treino secreto de domingo
Então essa é a hora de me desapegar do orgulho, morder a língua e admitir que esse evento foi um verdadeiro tapa na cara (com carinho, é claro!) e me despiu de várias resistências, permitindo que eu realmente vivenciasse tudo o que foi proposto e, ao final, saísse de lá com um verdadeiro sentimento de gratidão. Toma essa! rs

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Relato: Circuito das Serras - Serra do Mar

Domingo chuvoso... nada melhor que dormir até mais tarde e depois se empanturrar de comer besteira, certo?

Até o mês passado, a nossa resposta seria um sonoro "CERTÍSSIMO!".  Mas o tempo passa e as coisas mudam.

Finalmente estamos retomando nosso ritmo de vida (mais finais de semana livres para fazer o que gostamos, alimentação um pouco menos despirocada etc., etc.) e finalmente (de novo) estamos recuperando nossa confiança em nossos corpos - confiança essa que andava meio abalada desde o início do ano.

A Cris foi liberada pelo fisioterapeuta para testar o tornozelo depois de um longo processo de reabilitação (nem precisamos falar o tanto que recomendamos o trabalho Felipe, que salva nossa pele - e nossos tendões e nossos ligamentos - desde 2013!) e eu venho treinando em baixo volume, mas de forma consistente, há pelo menos 2 meses, sem dor alguma.

Então já estava na hora de colocar os corpitchos para bater na trilha. Até porque dezembro está logo aí e teremos o Desafio Pedra do Baú pra encerrar o ano com bastante dor muscular chave de ouro (quem ainda não se inscreveu, é melhor se apressar, pois as inscrições estão acabando!) e não queremos fazer feio - até porque fomos selecionados para integrar o time de embaixadores da prova!

Eis que surgiu a oportunidade de correr uma prova relativamente perto de casa, com nível técnico tranquilo para quem está voltando a correr e com bastante trilha. Não tinha como deixar a oportunidade passar.

Superado o primeiro obstáculo - que é conseguir fazer a inscrição (grátis), já que ela acaba em questão de minutos! - não seria a previsão de chuva no domingo que nos faria desistir da prova.

Então acordamos antes das 5h da matina e nos dirigimos para o Parque Estadual da Serra do Mar, em São Bernardo do Campo, para retirarmos nossos kits da prova com calma - a largada seria apenas às 9h30.

Em alguns momentos, a neblina era tão espessa que parecia possível corta-la com a faca, mas apesar disso e da garoa ocasional, não estava verdadeiramente frio.

Retiramos os kits e ficamos ali na tenda da Lobo Adventure papeando com os amigos que não víamos há bastante tempo.




Total arroz de festa saindo na foto da assessoria dos amiguinhos